Na hora de buscar uma alternativa de crédito para conseguir comprar um imóvel, um carro, pagar a faculdade do filho ou por causa de alguma emergência financeira, as taxas de juros são as mais temidas pelas pessoas.

Mas, os juros sempre serão cobrados ao contratar um empréstimo. O empréstimo pessoal é uma opção com juros mais baixos que cheque especial e rotativo do cartão de crédito. Além disso, você saberá exatamente o juros e o Custo Efetivo Total (CET) da operação.

É preciso compreender como funciona para comparar as melhores opções que o mercado disponibiliza, para não cair em uma cilada. Nesse post iremos te ensinar como é cobrado o juros do empréstimo pessoal para que você consiga o melhor negócio.

O que é empréstimo pessoal?

O empréstimo pessoal é um tipo de crédito que as instituições financeiras, que são autorizadas, oferecem esse serviço. Normalmente, o empréstimo é utilizado para alguma emergência financeira ou para chegar mais perto de realizar um sonho e objetivo, que poderia levar muito tempo até ser atingido. Assim que for aprovado, você recebe o dinheiro em um prazo de 48h, mas sempre haverá juros na hora de restituir o empréstimo ao banco.

Como os juros são calculados no empréstimo pessoal?

Os juros são a remuneração que pagamos aos bancos por usar o dinheiro que eles têm disponível quando precisamos. No caso do empréstimo pessoal, eles são compostos, ou seja, aumentam a uma taxa maior pois são calculados sobre o valor emprestado mais os juros dos meses anteriores. É o famoso juros sobre juros.

A taxa de juros leva em consideração o custo de aquisição do cliente, a taxa de retorno do investidor, o custo da venda e o risco de inadimplência. Com essa taxa, a instituição financeira consegue se proteger caso o contratante não realize o pagamento das parcelas.

Existem vários fatores que são considerados na hora de calcular o valor total do empréstimo.

Taxa selic

A Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é a taxa básica de juros da economia no Brasil. Utilizada para o financiamento de operações, é fruto da média das taxas utilizadas pelas instituições financeiras. Cada taxa deve ser calculada a partir dela e isso acontece em qualquer banco. Desse modo, se a taxa Selic aumentar, os juros do empréstimo aumenta e, consequentemente, o custo total do empréstimo fica maior.

Custo Efetivo Total (CET)

O Custo Efetivo Total (CET) é o valor completo que será pago nos empréstimos e financiamentos. Além do juros, o CET inclui o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), seguro (para garantir o pagamento em caso de desemprego ou morte), tributos, registros e demais despesas, que devem estar especificadas no contrato do empréstimo.

Política do banco

A política de crédito varia de banco para banco. Isso vai fazer com que cada um adote a taxa de juros que está disposto a oferecer para o cliente. Ou seja, quão disposto ele está em correr o risco de tomar calote? Isso vai fazer com que o banco aumente ou diminua as taxas para facilitar ou dificultar novos empréstimos. Quanto maior o risco de inadimplência, maior será o juros.

Valor do crédito

Qual o valor que você quer para empréstimo? Isso é o valor de crédito. Quanto maior for esse valor, maior o risco do banco de não receber esse dinheiro de volta. E aí, para compensar esse risco e valer a pena, os juros aumentam.

Prazo de pagamento

O mesmo ocorre com o prazo de pagamento. Quanto maior for o número de parcelas, maiores são as chances de não receber o dinheiro. Então, maior o juros.

Score Pessoal

O score pessoal é uma ferramenta que as instituições financeiras utilizam para decidir se irão conceder ou não crédito para alguém. A pontuação vai de 0 a 1000 e leva em conta várias informações sobre o comportamento financeiro, dívidas, rendimento médio, entre outros. Quanto maior for o score, menor o risco de inadimplência, o que significa, menor a taxa de juros.

E funciona da seguinte forma: até 300 pontos é alto risco de inadimplência, entre 300 e 700 é risco médio e acima de 700 é risco baixo. Você pode consultar o seu score no Serasa Score ou no Boa Vista SCPC.

Como lidar com os juros?

O primeiro passo para saber como lidar com os juros do empréstimo e não se afundar em uma dívida é planejar para que as parcelas caibam no seu bolso. Tome cuidado para não ultrapassar 30% da sua renda mensal. Uma porcentagem maior poderá dificultar o pagamento do empréstimo.

Não atrase os pagamentos. Se forem realizados após a data de vencimento, o empréstimo ficará cada vez mais caro.

Observe o CET. Não adianta você fazer um empréstimo que no final te custará o dobro do valor que você solicitou.

Planeje, pesquise e compare. Hoje é possível consultar, simular e contratar empréstimos de forma parcial ou totalmente on-line. O site do Banco Central do Brasil disponibiliza acesso as taxas de juros dos bancos e instituições financeiras, onde poderá fazer comparações e escolher a melhor opção. Observe os juros, os valores e os prazos oferecidos. Tenha certeza que está fechando um bom negócio, e não caindo numa furada.